Páginas

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Correntes do Pensamento Geográfico (Escolas Geográficas)

Determinismo Ambiental
Teoria formulada no século XIX pelo geógrafo alemão Friedrich Ratzel que fala das influências que as condições naturais exerceriam sobre o ser humano, sustentando a tese de que o meio natural determinaria o homem. Nesse sentido, os homens procurariam organizar o espaço para garantir a manutenção da vida.
O maior sinal de perca de uma sociedade seria a perda do território.
As afirmações de Ratzel estavam fortemente ligadas ao momento histórico que vivia, durante a unificação da alemã. O expansionismo do Império Alemão, arquitetado pelo primeiro-ministro da Prússia Otto von Bismarck (1815-1898), foi legitimado pelas duas principais correntes de pensamento ratzeliano, o determinismo geográfico e o espaço vital (espaço necessário à sobrevivência de uma dada comunidade). A primeira explicaria a superioridade de algumas raças - nesse caso, a alemã -, que naturalmente se desenvolveriam mais do que outras, e a segunda justificaria a conquista de novos territórios para suprir a maior demanda de recursos para seu desenvolvimento, ou seja, ou expansionismo.
Os discípulos do determinismo foram além das proposições ratzelianas, chegando a afirmar que o homem seria um produto do meio. Defendiam que um meio natural mais hostil proporcionaria um maior nível de desenvolvimento ao exigir um alto grau de organização social para suportar todas as contrariedades impostas pelo meio. Ex: O inverno justificaria o desenvolvimento das sociedades europeias, que não tiveram grandes dificuldades em subjugar os povos tropicais, mais indolentes e atrasados. Essa ideia justificou o expansionismo neocolonial na África e na Ásia entre o fim do século XIX e o início do século XX. Pensamentos que, mais tarde, foram aproveitadas pelos cientistas e políticos da Alemanha Nazista.

Possibilismo Geográfico
Teve origem na França, com Paul Vidal de la Blache.
Enquadrado no pensamento político dominante, num momento em que a França tornou-se uma grande soberania, ele realizou estudos regionais procurando provar que a natureza exercia influências sobre o homem, mas que homem tinha possibilidades de modificar e de melhorar o meio, dando origem ao possibilismo.
A natureza passou a ser considerada fornecedora de possibilidades e o homem o principal agente geográfico.

Geografia Regional ou Método Regional
Representou a reafirmação de que os aspectos próprios da Geografia eram o espaço e os lugares.
O método era comparar regiões, segundo critérios de similaridade e diferenciação.
Os geógrafos regionais dedicaram-se à coleta de informações descritivas sobre lugares, dividir a Terra em regiões.
As bases filosóficas foram desenvolvidas por Vidal de La Blache e Richard Hartshorne. Hartshorne não utilizava o termo região: para ele os espaços eram divididos em classes de área, nas quais os elementos mais homogêneos determinariam cada classe, e assim as descontinuidades destes trariam as divisões das áreas. Este pensmanto geográfico ficou conhecido como método regional.

Geografia Pragmática (Nova Geografia, Geografia Teorética ou Quantitativa)
Corrente de pensamento da década de 1950 que surgiu da necessidade de exatidão, através de conceitos mais teóricos e apoiados em uma explicação matemático-estatística.
As principais características dessa corrente geográfica são:
-Todo o conhecimento apoia-se na experiência (empirismo);
-Deve existir uma linguagem comum entre todas as ciências;
-Recusa de um dualismo científico entre as ciências naturais e as ciências sociais.
-Maior rigor na aplicação da metodologia científica;
-O uso de técnicas estatísticas e matemáticas;
-A investigação científica e os seus resultados devem ser expressos de uma forma clara, o que exige o uso da linguagem matemática e da lógica.
Foi usada como um forte instrumento de poder estatal, pois manipulava dados através de resultados estatísticos.
Predominou na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, principalmente na década de 1960 a meados de 1970. A partir da década de 1960, a Geografia Pragmática começou a sofrer duras críticas. Uma das principais críticas é o fato de não considerar as peculiaridades dos fenômenos, pois o método matemático explica o que acontece em determinados momentos, mas não explica os intervalos entre eles, além de apresentar dados considerando o “todo” de forma homogênea, desconsiderando, portanto, as particularidades.

Geografia Crítica ou Geografia Marxista
A expressão Geografia Crítica foi criada na obra "A Geografia - isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra", de Yves Lacoste.
Essa corrente de pensamento geográfico surgiu na França, em 1970, e depois na Alemanha, Brasil, Itália, Espanha, Suíça, México e outros países.
Ganhou mais força na Alemanha, Espanha, França e Brasil, com um grande movimento de renovação da geografia na década de 80.
No Brasil, o grande nome da Geografia Crítica foi Milton Santos, que publicou os primeiros trabalhos da nova escola nesse país.
A Geografia crítica estabelece o rompimento da neutralidade no estudo da geografia e propõe engajamento e criticidade junto a toda a conjuntura social, econômica e política do mundo. Estabelece também uma leitura crítica frente aos problemas e interesses que envolvem as relações de poder e pró-atividade frente as causas sociais, defendendo a diminuição das disparidades sócio-econômicas e diferenças regionais. Defendia ainda a mudança do ensino da geografia nas escolas, ao estabelecer uma educação que estimulasse a inteligência e o espírito crítico.
O pensamento crítico na geografia significou, principalmente, uma aproximação com os movimentos sociais, principalmente na busca da ampliação dos direitos civis e sociais, como o acesso a educação de boa qualidade, a moradia, pelo acesso à terra, o combate à pobreza, entre outras temáticas.

Geografia Humanística ou Cultural
Tem como base os trabalhos realizados por Yi-Fu Tuan, Anne Buttimer, Edward Relph e Mercer e Powell.
A Geografia Humanística ou Cultural procura valorizar a experiência do indivíduo ou do grupo, visando compreender o comportamento e as maneiras de sentir das pessoas em relação aos seus lugares, ou seja, a cultura dos grupos sociais.
Para cada indivíduo, para cada grupo humano, existe uma visão do mundo, que se expressa através das suas atitudes e valores para com o ambiente. É o contexto pelo qual a pessoa valoriza e organiza o seu espaço e o seu mundo, e nele se relaciona.
Os geógrafos culturais argumentam que sua abordagem merece o rótulo de "humanística", pois estudam os aspectos do homem que são mais distintamente humanos: significações, valores, metas e propósitos (Entrikin, 1976).
O lugar é aquele em que o indivíduo se encontra ambientado no qual está integrado, tem significância afetiva para uma pessoa ou grupo de pessoas.
O espaço envolve um complexo de idéias. A percepção visual, o tato, o movimento e o pensamento se combinam para dar o sentido característico de espaço, possibilitando a capacidade para reconhecer e estruturar a disposição dos objetos.
A integração espacial faz-se mais pela dimensão afetiva que pela métrica. Estar junto, estar próximo, significa o relacionamento afetivo com outra pessoa ou com outro lugar. Lugares e pessoas fisicamente distantes podem estar afetivamente muito próximos.
O estudo do espaço é a análise dos sentimentos e idéias espaciais das pessoas e grupos de pessoas. Valoriza-se o contexto ambiental e os aspectos que redundam no encanto e na magia dos lugares, na sua personalidade e distinção.

Geografia Ambiental
Ramo da geografia que descreve os aspectos espaciais da interação entre humanos e o mundo natural. Requer o entendimento dos aspectos tradicionais da geografia física e humana, assim como os modos que as sociedades conceitualizam o ambiente.
Emergiu como um ponto de ligação entre a geografia física e humana como resultado do aumento da especialização destes dois campos de estudo.
Como a relação do homem com o ambiente tem mudado em consequência da globalização e mudança tecnológica, uma nova aproximação é necessária para entender esta relação dinâmica e mutável.
Exemplos de áreas de pesquisa em geografia ambiental incluem administração de emergência, gestão ambiental, sustentabilidade e ecologia política.

Questões para reflexão
01-Explique o que afirmava o Determinismo Ambiental de Friedrich Ratzel.
02-Compare a Teoria da Evolução das Espécies ao Determinismo Ambiental de Friedrich Ratzel.
03-Explique o conceito de Espaço Vital e o que ele justificaria.
04-Quais as proposições defendidas pelos discípulos do Determinismo Ambiental?
05-O que afirmava o possibilismo?
06-Cite um exemplo que justifica o que defendia o possibilismo geográfico de Vidal de La Blache.
07-Ao que se dedicavam os geógrafos regionais?
08-De que surgiu a Geografia Pragmática (Nova Geografia, Geografia Teorética ou Quantitativa)?
09-Quais as principais características da Geografia Pragmática (Nova Geografia, Geografia Teorética ou Quantitativa)?
10-Pra que foi usado a Geografia Pragmática (Nova Geografia, Geografia Teorética ou Quantitativa)?
11-O que estabelece, propõe e defende a geografia crítica?
12-O que significou o pensamento crítico na Geografia?
13-A Geografia Humanística ou Cultural procura valorizar o quê?
14-O que significa lugar e espaço para a Geografia Cultural?
15-O que é o estudo do espeço para a Geografia Cultural ou Humanística?
16-Explique o que é a Geografia Ambiental?

26 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto !
Muito bom mesmo, consegui entender com facilidade todas as escolas geográficas. Valeu.

César Augusto "Guto" disse...

Oi Profº Edivaldo aqui é o Profº César Augusto!! Quero lhe parabenizar pela iniciativa da craição do Blogger!!

brunek maluk disse...

Ajudou mt mesmoo
Obg *--*

Anônimo disse...

PARABÉNS PROFESSOR,PELO EXCELENTE TRABALHO...

Patricia Leal disse...

Excelente texto, sucinto, organizado e de fácil compreensão.

Hermenegildogb@ovi.com disse...

Parabes professor foi um excelente trabalho

Anônimo disse...

Muito bom esse texto, muito fácil de entender, parabéns. Agora sempre vou visitar seu blog. Principalmente agora que comecei o curso de geografia.

Anônimo disse...

Parabéns, Edvaldo pelo texto enxuto
e bem elaborado que você nos propor
cionou sobre"Correntes do Pensamen-
to Geográfico"

Anna disse...

Bem elaborado esse pequeno texto. È de uma simplicidade, que deu para entender todas as correntes do pensamento geográfico. Parabéns Professor.

Anna disse...

Valeu professor, esse texto está simples e de fácil entendimento

Anônimo disse...

Muito bom o texto, mas logo depois de ler sobre correntes geográficas que buscam desenvolver o senso crítico, as perguntas para reflexão ficaram parecendo bem chulas. Ainda assim um ótimo texto.

Anônimo disse...

adorei,bem elaborado.claro e preciso.de boa compeensão.

paco do paco disse...

PARABÉNS PELO TEXTO, MUITO BOM E CLARO. GOSTEI MAIS AINDA DO RELÓGIO, LINDO MESMO...

paco do paco disse...

PARABÉNS PELO TEXTO, MUITO BOM E CLARO. GOSTEI MAIS AINDA DO RELÓGIO, LINDO MESMO...

Eng. Tecnico Gerson Miranda Panda disse...

Parabens professor um excelentissimo trabalho..vou ao exame com muita confiança..valeu

Anônimo disse...

Parabéns Professor, o texto é bastante claro e objetivo, de grande valor para estudantes e professores.

Victória. disse...

Parabéns pelo texto! Realmente ótimo.
Estou começando o primeiro ano do ensino médio agora e o meu professor pediu pra darmos uma revisada no assunto em casa e esse texto com certeza me ajudou bastante, esclareceu várias dúvidas.

Caroline Oliver disse...

Com ceteteeza , esse texto me ajudou muito. Obrigada , continue com esse bom trabalho!

Anônimo disse...

meu professor pegou tudo daqui kkkkkkkk é ótimo ele explicando eu não entendo aqui entendi

Anônimo disse...

obrigada professor me ajudou bastante a entender as correntes sempre tive dificuldades em entendê-las

Silvia Maria Souza disse...

Parabéns! gostei dos conteúdos me ajudou bastante.

Obrigado!!!

Anônimo disse...

Muito bom, professor.Esse texto está ótimo.Bem complexo, porém muito bom de interpretar.Agradeço pela postagem deste texto.Me ajudou muito.

Anônimo disse...

Amei esse blog. Boas informações. Tudo q precisei pra estudar em um so lugar. ♡♡

Bruno Samuel disse...

Putz, salvou legal, prova de "Pensamento Geográfico" hoje, ajudou bastante! Boa iniciativa, os estudantes de Geografia da FCT - Unesp - Presidente Prudente, agradece. Abraços!!!

Anônimo disse...

Parabéns pelas explicações, bem posicionadas e de bom esclarecimento ;)

Anônimo disse...

Olá sou Mazinho Vianna estudante de Geografia da Universidade Regional do Cariri essas definições das correntes do pensamento geográfico me ajudaram muito. Obrigado!!!